29.5.06

a Inércia

É como quando acordamos depois de uma noite de bebedeira. A boca está pastosa e só apetece beber algo fresco. O chão ainda não está bem debaixo dos nossos pés. A cabeça fica com o dobro do peso. A euforia passageira da noite anterior acabou, esfumou-se em menos de nada, nas três horas mal dormidas. Sentamo-nos no último degrau da escada e vemos a vida passar por nós. É a inércia, o querer fazer tudo e acabar por não fazer nada. Ali no degrau esperamos. Esperamos. Esperamos. Esperamos.
Até acordarmos outra vez de uma noite de bebedeira, com a boca pastosa, sem chão debaixo dos pés, com a cabeça pesada, sem euforia nenhuma.

1 comentário:

lililima disse...

Há que sair desse círiculo... senão ficas com a cabeça Às voltas e não sais do mesmo lugar!