14.1.14

A verdade dói.

Quase sempre.

Mas não é por doer que deixa de ser verdade.

23.10.13

A verdade pela negativa

A análise do nosso percurso de vida encaminha-nos para a conclusão geral de que nada poderia ter acontecido de maneira diferente daquela que aconteceu, pela simples razão de que não temos forma de comparar a vida que temos com aquela que poderíamos ter tido.
Quanto muito, podemos apenas fazer conjecturas pela negativa sobre o que teria acontecido. Não podemos pensar sobre o que teria acontecido se tivéssemos feito algo desta ou daquela maneira, mas apenas se não o tivéssemos feito desta ou daquela maneira.
A verdade pela negativa pode doer, pois nunca saberemos aquilo que poderíamos ter tido. Sabemos apenas e vagamente aquilo que não tivemos.

30.1.13


Este rio que passa rápido em frente aos meus olhos não pára nem abranda . Este rio revolto leva tudo à sua passagem e o ramo que é arrastado na corrente nunca volta para trás.

Este rio que eu vejo é a vida.
E eu sou o ramo arrastado pela corrente.

18.12.11

Tu tinhas-me. Eu era teu.
Tu perdeste-me. Não sou de ninguém.
Para quê dizer que te amo, se sei que me vais desiludir?
Para quê fazer planos, se sei que me vais fazer chorar? (outra vez)
Para quê andarmos a enganarmo-nos com falsas ideias de que um dia seremos felizes?

Para quê?